Estado de Goiás

Membros do Núcleo de Agroecologia e Educação do Campo - GWATÁ realizam atividade de intercâmbio em Cuba  

 

Três estudantes membros do Núcleo de Agroecologia e Educação do Campo - Gwatá do Câmpus Cora Coralina da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e outros três do Coletivo Magnífica Mundi, da Faculdade de Informação e Comunicação da Universidade Federal de Goiás (UFG), participam de um intercâmbio na Televisión Serrana em Sierra Maestra, estado de Grama em Cuba.

A atividade está sendo possível graças a um convênio estabelecido entre o Coletivo Magnífica Mundi, o Gwatá e a Televisión Serrana, do Instituto Cubano de Rádio e Televisión (ICRT). Segundo os alunos e professores participantes, a experiência técnica, social e política vivenciada nas últimas semanas na Televisión Serrana, em San Pablo de Yao, Buey Arriba, tem permitido ao grupo conhecer de forma geral a organização social e política cubana e, mais especificamente, a construção e amadurecimento da TV Serrana na produção popular de vídeo documentários.

A base do intercâmbio é a participação no Curso “Acercamiento al método creativo y de realización de Televisión Serrana”, desenvolvido a partir da metodologia de criação construída pela TV Serrana durante seus 25 anos. Por isso, para além do aprendizado técnico e humanístico em torno da realização de documentários, a experiência permite aos intercambistas aproveitar o acúmulo metodológico e de comunicação comunitária da TV.

Dagmar Talga, membra do Gwatá, destaca que há dois pontos principais no Curso e na Vivência do intercâmbio: a construção de documentários centrados nos problemas locais e regionais da população camponesa e a metodologia de criação coletiva através do “Grupo de Creación de TV Serrana”.

O primeiro é sobre a construção de documentários a partir das demandas e com os camponeses de San Pablo de Yao, no município de Buey Arriba, o que, conforme os estudantes e professores, reflete diretamente na transformação concreta da vida da população local e regional. Por exemplo, os camponeses participaram de uma das cruzadas da TV Serrana no povoado local de San Pablo e novos documentários produzidos pelos realizadores da TV foram lançados em praça pública. “A população participou efetivamente durante e após as exibições, apresentando suas impressões e opiniões ao final em espaço aberto de fala. Os documentários produzidos como resultado do Curso também serão exibidos à comunidade local”, assinala Dagmar Talga.

O segundo ponto relaciona-se ao processo próprio de criação dos documentários: a manutenção da metodologia coletiva de produção do Grupo de Criação da TV Serrana e, em particular, a perspectiva coletiva de produção a partir da qual o Curso tem sido apresentado. Estão construindo um projeto de documentário que será apresentado para apreciação e avaliação desse grupo criativo.

Dagmar explica que no curso foram estabelecidos dois grupos para execução dos documentários e isto permitiu aos intercambistas brasileiros conhecer a comunidade local e a metodologia de trabalho da TV Serrana. O primeiro grupo está construindo uma proposta em torno do entendimento/consciência das crianças de San Pablo de Yao sobre a Sociedade e sua realidade. O segundo grupo tem como temática a história de vida de uma mulher camponesa das montanhas que vivenciou, ainda criança, a transformação social e política de Cuba, possibilitada pela luta Revolucionária.

Além destas atividades, o Convênio também tem permitido um aprendizado sobre a experiência da Revolução Socialista em Cuba, sobre a atuação ativa das Mulheres cubanas na Revolução, sobre a importância da saúde e da educação para a população cubana e da Reforma Agrária como ação humanística. “Esperamos poder contribuir minimamente com a transformação social do nosso país, a partir desta troca de experiências, com a sequência e o fortalecimento do Convênio, com o aprendizado mútuo e contínuo”, afirma Dagmar Talga.

Participam do intercâmbio pela UEG Janiel Divino de Souza, Dagmar Olmo Talga e Murilo Mendonça Oliveira de Souza e já pela UFG, Ludmila Pereira de Almeida, Gabriel Alves Penha e Igor Winicius Rodrigues Barreto.

Gwatá, que significa caminhar em Guarani, é um Núcleo de Agroecologia e Educação do Campo da UEG Câmpus Cora Coralina, na Cidade de Goiás, que desenvolve projetos e parcerias no campo e na cidade em todo o Brasil, com extensão e pesquisa em diversas linhas, como educação, saúde, cinema, direitos humanos e outros.

O Coletivo Magnífica Mundi, baseado na Faculdade de Informação e Comunicação da UFG, é um projeto de comunicação compartilhada, além de ser um laboratório e núcleo de pesquisas em comunicação. Apesar do enfoque na área, conta com membros de outras unidades da UFG, de outras cidades e estados, incluindo quem não é estudante. Há diversos anos, o Coletivo vem construindo um trabalho em conjunto com comunidades tradicionais, movimentos sociais, especialmente os que lutam pela Reforma Agrária, e com as Escolas Família Agrícola (EFAs) no estado de Goiás. Dos trabalhos nas EFAs, nasceu a parceria com o Gwatá.

 

Confira no vídeo a seguir, o depoimento do professor do Câmpus Cora Coralina e Coordenador do Gwatá, Murilo Mendonça Oliveira de Souza, sobre a experiência no intercâmbio em Cuba:

 

(Adriana Rodrigues com colaboração de Dagmar Talga | CeCom|Gwatá|UEG)

 

 

Notícia publicada em 16/07/2018